domingo, setembro 25, 2011

Os alemães no Espírito Santo

Domingos Martins

Depois do empreendimento português decidiu-se iniciar um novo empreendimento, e os alemães foram os primeiros, em 1847, chegaram em três datas distintas: em 21 de dezembro de 1846, a bordo do transporte Eolo, com 108 colonos; em 21 de fevereiro de 1847, no vapor de guerra Urânia, com 46 passageiros e em 13 de março com o Brigue Aurelie que trouxe 11 colonos. Desembarcaram primeiramente no porto do Rio de Janeiro do navio Philomena, que partiu de Antuérpia em 20/10/1846.

Esses primeiros imigrantes eram em sua maioria hünsbucklers da regiâo do Hünsruck e também do Hesse, foram eles os primeiros a desbravar a vasta floresta e fundar Santa Izabel e a povoarem e fundarem o município de Domingos Martins, município este em que boa parte das pessoas são bilíngues falando além do português os dialetos Hünsbuckler (mais comum na área de campinho) e o pomerano na região norte do município.

Os alemães foram o segundo maior grupo de imigrantes para o Espírito Santo depois dos italianos. A então Província da Pomerânia contribuiu com 63% do total de colonos. Da parte oriental daquela província, das cidades de Belgard, Greifenberg, Kolberg, Kowak, Labes, Regenwald e arredores - que desde o fim da Segunda Guerra está sob o domínio da Polônia - é oriunda a grande maioria dos colonos pomeranos. Em seguida vêm os renanos, com destaque para os imigrantes das montanhas do Hünsruck, no vale do Reno, os primeiros alemães a chegar ao Espírito Santo em 1846.

Os imigrantes que fundaram Domingos Martins viveram no início da colonização um sério conflito religioso, fruto do apoio dos portugueses católicos aos alemães também católicos, devido ao apoio e defesa na hora de negociar que existia ao darem preferencia aos alemães católicos.

Depois do ótimo resultado alcançado em Santa Izabel o governo incentivou a criação de outras colônias alemães, sendo Santa Leopoldina a que alcançou maior status, sendo grande difusora de alemães que desbravariam e fundariam outros municípios. Porém a maioria dos colonos que vieram depois eram pomeranos, o que resultou atualmente na maior colônia pomerana no Brasil e também o maior núcleo de falantes deste dialeto no mundo (nos referimos ao dialeto pomerano oriental).

Embora a presença alemã no Espírito Santo seja pequena se comparada aos italianos que representaram 75% dos imigrantes e representam 65% da população do Estado, os alemães e seus descendentes foram os que mais conservaram a língua, existindo hoje no Estado municípios como Santa Leopoldina, Santa Maria de Jeitbá, Afonso Cláudio, Domingos Martins, Santa Teresa (comunidades interioranas em meio a massa italiana), Vila Pavão, Vila Valério e Pancas que conservam o dialeto pomerano, com grande população de bilíngues; em alguns casos chegando ao ponto de existirem brasileiros pomeranos que não sabem falar o português.


Domingos Martins
A grande maioria dos alemães (82,3%) embarcou no porto de Hamburgo, ao norte do país. No porto de Antuérpia, na Bélgica, embarcaram 14,3% do total. Em Bremen foram embarcados outros 2,2% de passageiros imigrantes com destino ao Espírito Santo.

As embarcações, A. Borsig, que chegou em 10 de junho de 1859; o Virginie de 21 de agosto do mesmo ano e o Belgique de 10 de março de 1860, todos procedentes do porto de Antuérpia, foram os primeiros navios a fazer o percurso diretamente da Europa até o porto de Vitória, trazendo imigrantes alemães.

O navio Ceres, que transportava 69 alemães, a maioria da Renânia, foi o que mais tempo gastou até o Espírito Santo. Partindo de Hamburgo em 12 de abril de 1872, chegou em Vitória em 20 de julho, depois de 99 dias de viagem.

segunda-feira, setembro 19, 2011

Fotos de Verona

Verona

Verona

Verona

Verona

Verona

Verona

Verona

Verona

Verona

Verona

Verona

Verona

Verona

Verona

Verona

quinta-feira, setembro 15, 2011

Fotos de Castelo-Espírito Santo

Castelo-Espírito Santo

Castelo-Espírito Santo

Castelo-Espírito Santo

Castelo-Espírito Santo

Castelo-Espírito Santo

Castelo-Espírito Santo

Castelo-Espírito Santo

Castelo-Espírito Santo

Castelo-Espírito Santo

Castelo-Espírito Santo

Castelo-Espírito Santo

Castelo-Espírito Santo

Castelo-Espírito Santo

Castelo-Espírito Santo

Castelo-Espírito Santo

Castelo-Espírito Santo

sábado, setembro 10, 2011

sexta-feira, setembro 09, 2011

Os portugueses no Espírito Santo

Viana-ES
Os portugueses foram os primeiros imigrantes a iniciarem a desvendar a vasta barreira verde que protegia a tão preciosa zona do ouro.

Os primeiros que vieram como imigrantes (falamos assim porque os grupos anteriores eram colonizadores), chegaram entre 1812 a 1814. 

Estes primeiros portugueses se instalaram na região que veio a originar o atual município de Viana. Esse foi o primeiro empreendimento de colonização oficial no Estado do Espírito Santo, que passou a ser denominado como Colônia Agrícola de Santo Agostinho, os primeiros a chegarem no final de 1812 foram os açorianos. O grupo inicial era formado por aprox. 250 indivíduos.

A influencia católica na região posteriormente (aprox. 40 anos depois) causaria uma grande desavença entre os colonos alemães católicos e luteranos.

Mas a maioria dos portugueses entraria mesmo depois de 1890, sendo os navios o Entre Rios, Paranaguá e Colômbia os que mais viagens fizeram trazendo portugueses; originários principalmente das regiões de Beira Litoral, Douro Litoral, Beira Alta e Trás dos Montes. No entanto, esses que vieram posteriormente, embora muito mais numerosos não formaram nenhuma colônia, a grande maioria optou por permanecer na capital, ou foram para o sul do Estado em especial Cachoeiro do Itapemirim.

quinta-feira, setembro 08, 2011

Imigração no Estado do Espírito Santo

Antes de entrarmos no assunto imigração propriamente dito, é de suma importância dizer como se encontrava este Estado nos séculos 1800 até 1900. Inicialmente podemos afirmar que o Estado do Espírito Santo foi por anos esquecido, como consequência este pequeno Estado da região sudeste era um grande vazio populacional. 

Avn J Monteiro- Vitória
Por volta de 1824 a população capixaba não passava dos 30 mil habitantes, que se concentrava toda na ilha de Santa Maria e imediações e nas fazendas escravocratas dos barões e grandes fazendeiros do sul capixaba; todo o restante do território local era composto de densas matas virgens e habitado acima de tudo por índios botocudos. Já nos primeiros anos da imigração européia para nosso Estado a população saltou para aprox. 85 mil em 1872, atingindo 1 milhão em 1950. A imigração européia foi essencial para o crescimento deste Estado.

Mas porque este Estado foi por anos esquecido?

A resposta é a mais simples e a mais lógica possível. Devido a sua localização privilegiada, o Estado durante mais de 200 anos serviu como barreira verde de proteção ao acesso fácil ao Estado de Minas Gerais onde nascia o ouro brasileiro para a coroa portuguesa.

A situação muda apenas com o declínio do ouro, posterior República e o nascimento do ouro negro, o café. Somente depois de tudo isso, o Espírito Santo passa a ser visto como um grande vazio populacional e improdutivo, antes era apenas uma barreira verde de proteção ao ouro, onde a única preocupação da coroa era que não se retirasse um tronco se quer e construção de fortes para a proteção local.

Junto a este fator agrega-se também o interesse em ''embranquecer'' a população, algo comum na época em todos os Estados do sul e sudeste e especialmente no sudeste a substituição da mão-de-obra escrava.

Mas de onde vinham este imigrantes?

Eis a lista dos 10 grupos mais numerosos a entrarem no Espírito Santo de 1812 a 1900:
1º - Itália                                 8º - San Marino 
2º - Alemanha                         7º - Holanda
3º - Espanha                            8º - Suíça
4º - Portugal                            9º - Áustria
5º - Polônia                              10º - França

EUA, Bélgica, Luxemburgo e Ucrânia, embora minoritários também formaram grupos significativos. Enquanto: China, Israel, Inglaterra, Venezuela, Argentina, Argélia, Turquia, Grécia, Marrocos, Líbano Chile, Hungria, Romênia, Chile e Suécia não representaram grupos significativos em números.

Nota: é importante lembrar que os ingleses foram muito importantes na Colonização de Iconha, fundando uma importante comunidade inglesa local. Já sírios e Libaneses se tornariam mais numerosos a partir de 1930.

Dentre esses imigrantes os italianos eram maioria absoluta representando 75% da população.






Fotos de Três de Maio-Rio Grande do Sul

Três de Maio-Rio Grande do Sul

Três de Maio-Rio Grande do Sul

Três de Maio-Rio Grande do Sul

Três de Maio-Rio Grande do Sul